Notícias

dez 10, 2020

Projeto irá promover a transformação digital de indústrias

Vinte pequenas e médias indústrias recifenses do ramo de alimentos participarão, no próximo ano, de um projeto que pretende alavancar a produtividade destas empresas. Batizada de Salto Digital, a iniciativa irá utilizar, em conjunto, a digitalização das empresas, por meio da plataforma Minha Indústria Avançada (MInA), e técnicas de manufatura enxuta e do Programa Desenvolvimento da Gestão da Inovação (PDGI), em busca de um aumento de produtividade da ordem de 35%. Encabeçada pelo Instituto SENAI de Inovação para Tecnologias da Informação e Comunicação (ISI-TICs), a rede Digitaliza PMI apresentou um dos sete projetos vencedores do Edital ABDI Digital.BR e irá receber, nesta primeira etapa do programa, chamada de fase de piloto, um aporte de R$ 1,5 milhão para a implantação da iniciativa.

Promovido pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), o edital Digital.BR foi criado com a proposta de promover a transformação digital de empresas nordestinas. Para atender a este objetivo, o Digitaliza PMI irá atuar em diversos aspectos operacionais e táticos, com ações que serão desenvolvidas em três eixos: implantação do Minha Indústria Avançada (MInA), ferramenta de digitalização desenvolvida pelo ISI-TICs, que consiste na sensorização das linhas de produção para a visualização, em tempo real, de informações relacionadas à produtividade; consultoria em Lean Manufacturing, pelos especialistas do SENAI-PE; e adaptação do Programa Desenvolvimento da Gestão da Inovação (PDGI) para a realidade dessas micro e pequenas indústrias, sob responsabilidade do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Pernambuco (Sebrae-PE).

O projeto conta, ainda, com a participação da Fundação para Inovações Tecnológicas de Recife (FITec Recife), pesquisadores do departamento de Economia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), além do apoio institucional da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE).

Todas essas iniciativas melhoram o desempenho das empresas – o MInA, por exemplo, garantiu ganho médio em produtividade de 22% em estudo realizado com indústrias de todo o País que atuam com produção discreta, quando é possível contabilizar os produtos finais. A ideia, agora, é aprimorá-las para que possam ser oferecidas em conjunto. “O MInA já é uma realidade, mas agora iremos aperfeiçoá-lo para que possamos atingir também indústrias que trabalham com produção contínua, como é o caso de maioria do setor de alimentos e bebidas”, explica o gerente de Negócios do ISI-TICs, Ernani Azevedo.

Durante seis meses, entre janeiro e junho do próximo ano, o Salto Digital será desenvolvido, aplicado e aprimorado. Se os resultados obtidos forem positivos, o projeto poderá ser selecionado para a próxima etapa do edital, chamada de fase de escala, quando outras 90 indústrias deverão ser beneficiadas. Nesta fase, a ABDI irá aportar mais R$ 1,5 milhão e haverá contrapartida de mais R$ 1,5 milhão, que deverá ser oferecida pelas instituições participantes. “A nossa ideia é oferecer um produto conjunto, que possa virar um programa permanente e capaz de melhorar o desempenho e a competitividade das micro e pequenas indústrias”, finaliza Azevedo.